Raio-X da Visão - Olhares do Mundo

Raio-X da Visão

Descubra como funciona o mecanismo que nos permite enxergar

Enxergar. Um ato cotidiano para a maioria, um sentido vital que é exercitado desde o nascimento. Talvez por parecer tão simples, é fácil esquecer como a visão humana é complexa, um verdadeiro encadeamento de mecanismos que permitem a transformação da luz em imagens. Por isso, conhecer a formação da visão é tão importante para saber como cuidar melhor destes órgãos fantásticos.

Tudo começa com pequenas partículas emitidas pela luz, os fótons. Conforme circulam pelo ambiente, os fótons “esbarram” nos objetos e são direcionados para os nossos olhos. A partir do momento em que os tocam, começa um complicado processo para transformar a informação da luz em impulso elétrico, para que o cérebro consiga processá-la.

Primeiramente, a luz atravessa um tecido transparente, a córnea, e atinge a pupila, cuja principal função é regular a entrada da luz. A pupila é controlada pela íris, a parte colorida do olho, formada por músculos que ganham pigmentação conforme o tempo, o que explica o fato de que muitos bebês nascem com olhos azuis que escurecem com a idade.

Depois de atravessar a córnea e a pupila, a luz viaja pelo humor aquoso – líquido que preenche e hidrata a cavidade formada por córnea e o cristalino, outra importante peça deste mecanismo. O cristalino atua como as lentes das máquinas fotográficas, controlando o foco das imagens. Ele passa por um processo chamado acomodação, no qual os músculos que o controlam se contraem ou relaxam para focar em diferentes distâncias. Ambos são transparentes para permitir a passagem da luz e a opacidade em qualquer um dos dois pode causar perda de visão e cegueira.

Depois de atravessar o cristalino, a luz passa pelo humor vítreo, que é um gel composto por água e colágeno. Ele é responsável por manter a forma, peso e volume do olho e também é transparente para permitir a passagem da luz.

A partir disso, a luz chega à retina, uma das áreas mais sensíveis dos olhos. É através da retina que os estímulos luminosos se transformam em impulsos nervosos transmitidos pelo nervo óptico.

As células que se dedicam a este trabalho são os chamados fotorreceptores. Existem dois tipos dessas células, os cones – que captam as cores – e os bastonetes, que permitem a visão noturna, além de enxergarem o branco e o preto.  Os bastonetes se localizam nas partes laterais dos olhos, enquanto os cones se concentram no centro, mesma região de duas áreas importantes: mácula e fóvea.

Mácula é a denominação do centro da retina. A área contém o dobro de fotorreceptores que as demais partes da retina e é responsável por enxergar detalhes. O centro da mácula é uma depressão chamada fóvea, onde a acuidade visual atinge seu nível mais preciso.

No interior dos olhos, em camadas posteriores à retina, o mesmo tecido que forma a córnea cria a esclera, uma membrana que protege os olhos (visivelmente, a parte branca do globo ocular). Logo abaixo dela está a coroide, que comporta os vasos sanguíneos que nutrirão as células.

Depois de captadas pelas células da retina, as imagens são transmitidas até o cérebro pelo nervo óptico contendo informações como a cor do objeto, sua forma, posição e nível de luminosidade. Um detalhe importante é que, como o cristalino é uma lente convergente – ou seja, uma lente que direciona os raios de luz para um mesmo ponto – a imagem projetada na retina é invertida.

A conversão para a posição normal ocorre no centro de processamento da visão no cérebro, o lobo occipital. Essa região, localizada do lado direito inferior da cabeça, é a maior responsável pela elaboração das imagens e doenças neurológicas, como epilepsia, ou impactos na área podem levar à cegueira permanente.

Diferente de muitos órgãos do corpo, como fígado e pele, as células oculares dificilmente se regeneram, assim como os neurônios, o que torna a visão um bem extremamente precioso. Uma vez que qualquer uma de partes é permanentemente danificada, as chances de recuperar a visão são mínimas, se não nulas. Portanto, a melhor maneira de garantir uma visão saudável é através da prevenção e do acompanhamento médico regular.

MAIS CONTEÚDOS