Huacachina, paraíso perdido - Olhares do Mundo

Huacachina, paraíso perdido

Um oásis em pleno deserto peruano

Você já deve ter visto esta cena em algum filme: um homem, perdido em um deserto, exausto, andando por horas e horas, morrendo de sede e de fome, delirando, avista um oásis e, com suas últimas forças, corre em direção ao paraíso. Porém, ao se aproximar, a imagem do oásis vai se desfazendo aos poucos, até sumir, para o desespero do homem.

 

Tirando a ficção, os mistérios e as lendas, existem, sim, centenas de oásis espalhados pelos desertos da Terra. Dono de uma incrível beleza natural, essas regiões, caracterizadas por surgirem de rios subterrâneos ou aquíferos, foram, e ainda são, alvos de intensas disputas territoriais, já que o controle, político ou militar, de um oásis significa ter o poderio de rotas comerciais e, claro, água.

 

Mas, em um deserto no sudoeste do Peru, existe um oásis em que não há guerra, disputas por território e nem é apenas uma miragem. Conhecido como Huacachina, o pequeno vilarejo que cresceu na província de Ica tem somente cem habitantes. No entanto, milhares de turistas visitam o lugar todos os anos em busca de suas palmeiras, de seu característico lago, e do famoso pôr do sol visto de cima das dunas.

 

A lenda local diz que, há milhares de anos, uma linda princesa se banhava em uma piscina natural, quando um caçador, aproveitando da situação, tentou raptá-la. Fugindo, seu vestido que balançava com o vento criou as dunas, e a piscina se transformou em uma lagoa, na qual, a princesa vive até hoje como uma sereia.

 

 

Mesmo com toda mística criada, Huacachina demorou para surgir no cenário do turismo mundial. Ficou famosa, como refúgio da elite peruana, na década de 40. Mas foi só em 1990, quando empresários começaram a investir no setor hoteleiro, que o mundo voltou seus olhos para a região.

 

Hoje, o oásis é tão forte na cultura peruana que estampa a nota de 50 Novos Soles, moeda do país. Recentemente, o governo do Peru anunciou que pesquisas feitas por um grupo de cientistas mostraram que, infelizmente, o lago está cada vez mais poluído. Agora, o lago será tratado com nanotecnologia, que cria minúsculas bolhas para combater a contaminação dos poluentes. Nos resta torcer para que esse paraíso ainda tenha uma longa história pela frente.

 

cid_50a45906-e5dd-4ea4-82b6-71ccf9b0f56f

MAIS CONTEÚDOS