As estações de Korakuen - Olhares do Mundo

As estações de Korakuen

Ao longo do ano, a paisagem se transforma revelando novos contrastes

“Compositor de destinos”, como diria o poeta, o tempo é um dos motores da vida nas metrópoles. Seja lento e arrastado como nos momentos gastos no trânsito ou veloz e imprevisível como o das notícias e da tecnologia, ele influencia a perspectiva sobre o espaço, a vida, as relações e as experiências. Com tantas oscilações, nada mais fácil do que perder a própria noção do tempo.

Mas na cidade de Okayama, no Japão, os moradores têm um lembrete e tanto para admirar a beleza do passar dos dias: o jardim Korakuen. Conhecido como um dos três Grandes Jardins Japoneses, Korakuen dá boas vindas a cada estação do ano de uma forma especial, decorado com maestria pelos ciclos da natureza.

Seja todo florido ou coberto de neve, o jardim Korakuen enfeita a paisagem local desde 1700, quando ficou pronto após 13 anos de construção. Idealizado pelo senhor feudal Ikeda Tsunamasa como um local dedicado à paz e contemplação, Korakuen tornou-se um oásis de beleza onde as transformações sazonais vivem em sintonia com a estabilidade da história.

Apesar de ter sido parcialmente destruído na Segunda Guerra Mundial, em 1945, o jardim recuperou sua antiga forma graças a registros e pinturas da época e, hoje, preserva detalhes arquitetônicos da época em que foi construído, sendo também considerado um patrimônio cultural do Japão.

A cada estação do ano, Korakuen revela suas belezas peculiares para a temporada ao renovar sua paisagem em harmonia com a natureza. Um exemplo é o jardim Iris e a ponte Yatsuhashi, que ganham flores brancas e lilases no verão. Já o bosque Chishio-no-mori brilha com a tonalidade avermelhada de suas árvores maple no outono, enquanto a neve cobre o terreno no inverno.

Cada novo ciclo traz consigo também uma forma diferente de celebrar. No dia de Ano Novo, em meio ao inverno japonês, os grous que são criados em instalações no jardim podem passear livremente por algumas horas, devido à cerimônia tradicional da região. Já no verão, o parque recebe o festival do plantio de arroz, celebrando as heranças agrícolas do país.

Em todas as estações, destaca-se a beleza arquitetônica do local, composta por estruturas como a casa Renchi-Ken, que não foi danificada pelos bombardeios da guerra e hoje surge para os visitantes como um capítulo do diálogo entre passado e presente.

Do outro lado do rio Asahi, o imponente castelo de Okayama completa a paisagem. Anterior ao jardim, a construção da propriedade original data do século XVI e a estrutura atual, criada após a destruição do castelo na Segunda Guerra, é fiel à arquitetura da era Edo. Uma lembrança permanente sobre a resiliência ante as transformações do tempo.

MAIS CONTEÚDOS