Entre Céu e Mar: O Porto - Olhares do Mundo

Entre Céu e Mar: O Porto

Segundo episódio da série descreve os detalhes que antecedem cada travessia

O medo de quem navega não é o mar, mas a terra. O grande medo de Amyr, como ele próprio diz, não está nas tormentas, nas ondas gigantes, nos problemas que podem surgir no barco. Seu maior temor, durante o desenvolvimento de uma viagem, é mais simples que isso: a possibilidade de a viagem não ser iniciada, a chance de seu barco, depois de anos de estudos e projetos, permanecer em terra.

A aventura, ao que parece, começa antes do mar. Ela tem início nos primeiros encontros de trocas de informações com engenheiros, médicos, nutricionistas, projetistas, arquitetos, especialistas navais. Passa pelos estudos e cálculos sobre a posição das estrelas por meio do compasso e da calculadora. E chega no grande desafio de criar, com poucos recursos, um barco que fosse capaz de trazê-lo da África para o Brasil remando ou, no caso do Paratii, robusto o suficiente para suportar 642 dias no mar.

 

“Descobri navegando que o tempo gasto em pensar e projetar é o mais importante da vida de um barco. Mesmo uma mínima canoa de pescar lulas que não tenha um projeto escrito, foi projetada na cabeça de seu construtor, foi projetada no olhar afiado do tirador que estudou o corte na mata”, escreveu em “Linha D’Água – Sobre estaleiros e homens do mar”.

Assim, com seu gosto peculiar pela quebra de regras, Amyr construiu, para sua primeira grande travessia, um barco que capotasse. Depois, desafiou a equipe, parceiros e empresários em busca do material perfeito, fosse qual fosse, para navegar entre os dois pólos. Os anos no mar e no frio da Antártica certamente não se aproximam do tempo dessas viagens em terra. “Amontoados de chapas”, ideias e papeis se acumulam sobre mesas de todas as partes do mundo com uma única certeza: barcos de verdade não nascem por acaso.

Texto por Vinícius Bopprê

MAIS CONTEÚDOS