Como funciona o i.Terminal? - Olhares do Mundo

Como funciona o i.Terminal?

Entenda como essa tecnologia ZEISS revolucionou a medição de pupilas

Os usuários de óculos já sabem: depois de escolher a armação ideal, os óticos sempre medem as pupilas para só depois seguir com o processo de fabricação das lentes. Mas, afinal, porque é tão importante fazer essa medição? E como o i.Terminal pode deixar esse processo muito mais eficaz?

A medição – ou centralização pupilar – determina as distâncias entre as pupilas e vários pontos do rosto e é fundamental para ajustar as lentes na posição correta e garantir que tenham nitidez e foco. Erros na centralização podem prejudicar ainda mais a visão, além de serem os responsáveis por 40% dos problemas de adaptação que os usuários de lentes multifocais sentem, como tonturas e dores de cabeça.

Existem algumas formas diferentes de medir as pupilas. A medição manual é a mais imprecisa, pois consiste em medir as distâncias pupilares sem equipamentos, apenas com a impressão visual do profissional ótico.

Também é possível utilizar um aparelho chamado pupilômetro, que consegue captar de maneira um pouco mais precisa as distâncias pupilares. Em geral, ele se parece com um binóculo, porém é mais quadrado e é encaixado diretamente nos olhos do paciente, enquanto o técnico óptico faz a medição.

Um dos problemas do pupilômetro é que ele costuma captar apenas duas distâncias: a DNP (distância naso-pupilar), que é o espaço entre o centro do nariz e a pupila, e a DP, (distância pupilar), que é a medida de uma pupila à outra. A altura pupilar, distância medida entre a pupila e a base inferior das lentes, é extremamente importante para os usuários de lentes multifocais, pois determina a distribuição dos campos de visão e muitas vezes não é captada por esses aparelhos, o que explica também as falhas de centralização.

Atualmente existem tecnologias que permitem uma medição muito mais precisa e confortável para os pacientes, como o sistema i.Terminal, da ZEISS.  Basicamente, tudo o que o técnico óptico precisa fazer é apertar um botão. O software inteligente é capaz de calcular sete medidas do rosto com precisão de até 0,01mm, o que o torna 84% mais exato que os processos de medição manual. Dessa forma, o i.Terminal consegue gerar diagnósticos feitos unicamente para o paciente, possibilitando a melhor correção ocular possível.

Outra grande vantagem é seu formato inovador. O i.Terminal é projetado como uma torre ajustável, que vai de 1,2m a 2,08m de altura, permitindo o conforto de crianças, cadeirantes e pacientes mais altos.

Além de ser muito mais completo que os demais processos, o i.Terminal é também 60% mais rápido que os processos manuais. Todas as medidas são calculadas em segundos, o que é muito mais confortável para os pacientes – especialmente crianças -, que não precisam ficar imóveis por tanto tempo.

O i.Terminal 2 também está disponível na versão mobile e pode ser controlado através de um tablet, garantindo ainda mais facilidade aos processos.  É importante lembrar que, apesar de ser anterior à fabricação das lentes, a centralização é determinante para o bom resultado dos óculos, por isso, apostar em tecnologia para tornar esse processo mais preciso é o primeiro passo para uma experiência visual única.

MAIS CONTEÚDOS